Sem segurança

Não sei no que vai dar esse movimento contra a construção de uma penitenciária na Itinga, acho que nenhuma ação judicial dará ganho de causa para Tijucas, já que a obra é de interesse da justiça, porém sou da opinião que muito mais importante que lutar por uma causa perdida é levantar a bandeira por mais policiamento na cidade. O correto seria termos um batalhão em Tijucas, para atender todo o Vale e se manter um patrulhamento ostensivo durante a noite.
Quem anda de madrugada pelo centro da cidade se assusta com o volume de elementos caminhando de um lado para o outro, sozinhos ou em duplas, a pé ou de bicicleta.
Me respondam com sinceridade: o que um indivíduo que mora na Praça ou Joaia pode querer caminhando pelo Centro às 3h da madrugada, com uma mochila nas costas? Só falta carregarem um cartaz dizendo “eu vou roubar em algum lugar”. É claro que um indivíduo desses precisaria ser convidado a ir até a Delegacia passar a noite lá e no outro dia ser interrogado pelo delegado.
Se tivéssemos um contingente maior de policiais militares no Vale e mais as 20 câmeras de vigilância que o prefeito Elói Mariano Rocha pretende instalar na cidade (espero que sejam contempladas todas as entradas e saídas da área urbana – Santa Luzia, Marginais da BR, Areias, Sul do Rio, Pernambuco, Ponte Bulcão Vianna, Ponte da Joaia e final da P4, evidentemente teremos uma significativa redução nos índices de criminalidade.
E tem mais: Tijucas deveria fazer como acontecem em algumas cidades brasileiras, onde a população tem acesso às imagens das câmeras de vídeomonitoramento. Assim quando um munícipe se deparar com alguém suspeito poderia acompanhá-lo pelas câmeras até a chegada da guarnição da PM, além de avisar a vizinhança ou empresários sobre a possível invasão de marginais nos seus estabelecimentos.
O que não pode mais é vivermos enjaulados dentro de casa gastando fortunas com grades, cercas elétricas, câmeras internas, sensores de presença e alarmes, enquanto a bandidagem perambula pelo nosso antes pacato município.

Procura-se uma bike

Tem gente que às vezes não leva sorte mesmo. Uma prova disso é meu amigo Jamilton Coelho, o popular Bito, que está à procura da sua bicicleta, furtada na ultima quarta-feira à noite.
O fato foi mais ou menos assim: Bito foi até o Bar do Biga tomar umas daquelas que mataram o guarda e pintou o convite para dar uma esticada até outro estabelecimento que trabalha até mais tarde da noite. Como estava de bicicleta pediu ao Biga para deixa-la dentro do bar para pega-la na manhã do dia seguinte. Como o Biga já estava fechando as portas fez a gentileza solicitada.
Ocorre que no início da madrugada um vagabundo passa pela frente do bar, que é todo fechado com portas de blindex, e vê a zikinha novinha dentro do estabelecimento. O safado pegou uma pedra, arremessou contra a porta, que se estilhaçou, e entrou no bar. Tinha um monte de coisa para roubar, mas o elemento levou somente a bicicleta do Bito. Nosso amigo Bito está revoltado e oferece uma recompensa para quem informar o paradeiro da sua bicicleta, que foi comprada a prazo em suaves prestações mensais.
Contatos através do telefone 3263 4792, falar com o Boi, que o recado será repassado ao Bito. Infelizmente a bicicleta não tinha seguro.
Pior é que o Biga pretende ingressar com ação na justiça para pedir o ressarcimento do prejuízo do blindex quebrado, construção de um tapume e pagamento do pernoite do seu irmão Zinho que está dormindo no balcão do bar para cuidar do estabelecimento, enquanto não chega à porta nova.
Só pra quebrar o gelo: Biga tem dois irmãos o Teco e o Zinho. Agora diga bem rápido, várias vezes, o nome dos três irmãos: Biga Teco Zinho. Que frase bonita, hein?!…

Abrindo o bico

Arquivo pessoal / reprodução

Arquivo pessoal / reprodução

Suplente de vereador Genésio Luiz, o popular Vagão, está prometendo abrir o jogo sobre assuntos nada republicanos. O suplente é filiado ao PSD de Tijucas e aguarda a sua nomeação para um cargo comissionado que lhe teria sido prometido durante a campanha. Sua votação não foi muito expressiva, mesmo assim surpreendeu muita gente.

Ocorre que Vagão tem uma sobrinha que ocupa um cargo comissionado na Câmara de Vereadores e pela lei antinepotismo ele não pode ingressar no quadro de servidores de confiança da Prefeitura, conforme determina o teor da referida legislação:

Está publicada na edição de hoje – 29/2008 – do Diário Oficial da União a súmula vinculante do Supremo Tribunal Federal (STF) que proíbe a contratação de parentes até terceiro grau nos três Poderes. De acordo com o texto, “a nomeação de parente em linha reta, colateral ou por afinidade, até o terceiro grau, da autoridade nomeante investido em cargo de direção, chefia ou assessoramento, para o exercício de cargo em comissão ou de confiança ou, ainda, de função gratificada na administração pública direta e indireta em qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios viola a Constituição Federal .” A 13ª do STF foi aprovada no último dia 21. O documento proíbe até o nepotismo cruzado ou o transnepotismo, aquele em que um agente público contrata para seu gabinete o parente de um colega e vice-versa”.

Agora resta saber o que Vagão tem para contar. No paço municipal já tem gente de orelha em pé, principalmente depois que a Administração derrubou a cerca de um terreno de área verde que Vagão havia cercado na Joaia, com o objetivo de tratar animais de criação. Se o Suplente já estava bravo…

Alerta Tijucas

Você acha ruim oito pequenas centrais hidrelétricas (PCHs) represando a água do Rio Tijucas no auto vale, a construção de uma penitenciária na Itinga, o projeto de uma ferrovia cortando a Itinga, Nova Descoberta, Terra Nova e Campo Novo e os abusos da Autopista com o trânsito da cidade? Então prepare-se para mais uma bomba:

Em 2004, último ano em que a Oposição ao PMDB governou Tijucas, um empresário da Nova Descoberta e um cidadão do centro compraram terras para a implantação de uma “usina de beneficiamento de lixo reciclável” na localidade de São Bento, uma estradinha no meio da travessia entre a SC 410 e a Terra Nova. O cidadão de Tijucas pagou R$ 30 mil pelo seu pedaço de terra e logo em seguida o vendeu por R$ 330 mil a um dos irmãos de um clã que comanda parte da política da Grande Florianópolis. Logo descobriu-se que a intenção era trazer para ali todo o lixo produzido nos 22 municípios da Região Metropolitana da Grande Florianópolis, Costa Esmeralda, Balneário Camboriú, Camboriú e Brusque. Isso representaria mais de uma centena de caminhões de lixo perfumando as ruas centrais de Tijucas diariamente.

Existem rumores de que, aproveitando-se da posição privilegiada de um afiliado seu numa das prefeituras do Vale do Rio Tijucas, um famoso ex-deputado estadual e federal está querendo ressuscitar a ideia. Sim, pode ser verdade, poderemos ter em Tijucas um enorme lixão.

Em 2003 os envolvidos deixaram um documento na biblioteca de Tijucas para ser analisado pela população, porém sem dar ampla divulgação ao fato. Era o relatório de impacto ao meio ambiente. Ficou um ano na biblioteca, mas ninguém sabia disso. Na véspera de completar o prazo de um ano apareceram na biblioteca alguns arquitetos e engenheiros e todos emitiram pareceres favoráveis a tal de usina de beneficiamento de lixo reciclável. Uma funcionária da biblioteca desconfiou, informou-me (eu era o presidente do Conselho Ambiental Tijuquense) e, com o documento embaixo do braço, corri até o Ministério Público, onde relatei tudo ao promotor Luiz Eduardo Couto de Oliveira Souto, que embargou aquela ideia maluca.

Agora cabe às atuais autoridades, lideranças políticas e a própria comunidade descobrir o que há por trás disso tudo. Se for boato, ótimo. Se for verdade, vamos todos lutar contra mais esse presente de grego.

Um a zero

Screenshot_2

Na manhã desta quarta-feira, dia 25, quem estava na prefeitura ficou surpreso com a gritaria que ouviu. Tratava-se de um morador da praça enfurecido com o chefe de gabinete Rosenildo Amorim, que a dias se nega a agendar um horário para conversar com o prefeito Elói.

Não me assusto com a notícia, pois o chefe de gabinete tem esse rompantes com muita gente. Não sei o que ele fez de relevante para ocupar um cargo tão importante, mas não se surpreendam se a vida dele ali for curta.

As informações dão conta de que o ‘conhecido‘ virou a mesa por cima de Rosenildo, deu gritos de terror. Nosso amigo não se conformou e antes de ir embora provocou a maior gritaria no corredor. Coisa de louco!

Nova lei contra o álcool

l

Cuidar da saúde da criança e do adolescente é papel de todos, das famílias, do Estado e da sociedade como um todo.

É com esse objetivo que foi criada uma lei que obriga a rede pública e privada de saúde a comunicar os casos de consumo de álcool de drogas por crianças e adolescentes. Conselhos Tutelares, pais e responsáveis serão avisados, para que possam tomar as providências e evitar problemas futuros com o abuso do consumo dessas substâncias.

A lei 17.078/2017, sancionada pelo governador Raimundo Colombo, prevê a possibilidade de aplicação de multa nos casos de não cumprimento injustificado.

Polícia Civil terá mais oito delegados e 106 agentes em Santa Catarina

Formados nesta terça-feira (24), em Florianópolis, novos agentes vão atuar em todas as regiões do estado

A Polícia Civil de Santa Catarina contará com mais oito delegados e 106 agentes, que vão atuar em todas as regiões do estado. A cerimônia de formatura da 2ª turma do Curso de Formação Profissional foi realizada na manhã desta terça-feira (24), no Teatro Pedro Ivo, em Florianópolis.

Para o delegado-geral da Polícia Civil, Artur Nitz, “é um momento feliz para a Polícia Civil, onde, nos últimos seis anos, ingressaram 1.125 policiais. Eles vão atuar nas diversas regiões do Estado e será um incremento para nossa instituição no combate da criminalidade”, salientou.

“A segurança pública tem se mostrado a cada dia, no Brasil e também em Santa Catarina, uma necessidade e uma exigência da sociedade. E nós temos que estar presentes. Estamos investindo muito em tecnologia, melhorando toda nossa atuação, aumentando a eficiência, mas não tem outro jeito, temos que aumentar nosso efetivo também”, disse o governador Raimundo Colombo.

O vice Eduardo Pinho Moreira reforçou a importância da atuação do novo efetivo. “As demandas da sociedade são infinitas, mas três são fundamentais, e a segurança é uma delas. Por isso, temos confiança em vocês, precisamos de vocês para dar mais segurança aos catarinenses e aos que nos visitam”, afirmou.

“Foi um período de capacitação, desafios e comprometimento com as causas da Polícia Civil. Nossos alunos ainda participaram da Operação Veraneio e prestaram um excelente serviço à população”, explicou o diretor da Acadepol, delegado Fernando de Faveri.

Lei contra a violência obstétrica é sancionada em Santa Catarina

Para evitar diversos tipos de violência pelas quais as gestantes e parturientes passam, que envolvem ofensa verbal e física, o governador Raimundo Colombo sancionou a lei 17.097 contra a violência obstétrica. A sanção foi publicada no Diário Oficial de SC desta quinta-feira.

De autoria da ex-deputada Angela Albino, a lei obriga a implantação de medidas de informação e proteção à gestante e parturiente. Dentre elas está a elaboração de uma cartilha pela Secretaria de Saúde de SC sobre os direitos da mãe e do bebê e também a exposição de cartazes sobre o tema em hospitais, unidades de saúde e demais locais de atendimento à gestante. O objetivo é conscientizar as gestantes para que conheçam seus direitos.

O projeto de lei 0482.9/2013 foi aprovado em sessão na Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina (Alesc). Agora a lei tem 60 dias para regulamentação.

Algumas violências obstétricas citadas da lei 17.097

  • Tratar a mulher de forma grosseira, não empática, grosseira, zombeteira;
  • Recriminar a parturiente por gritar, chorar ou ter dúvidas;
  • Não ouvir as queixas da mulher;
  • Fazer a gestante acreditar que precisa de uma cesariana quando não é necessário;
  • Impedir que seja acompanhada por alguém de sua preferência durante o trabalho de parto;
  • Submeter a mulher a procedimentos dolorosos, desnecessários e humilhantes;
  • Deixar de aplicar anestesia quando for requerida;
  • Proceder a episiotomia quando não é imprescindível;
  • Fazer qualquer procedimento sem previamente pedir permissão e explicar, com palavras simples, o que está sendo oferecido ou recomendado;
  • Submeter o bebê saudável a aspiração de rotina, injeções na primeira hora de vida sem antes ter contato com a mãe;
  • Retirar da mulher o direito de ter o bebê ao seu lado depois do parto no alojamento e de amamentar em livre demanda;
  • Não informar a mulher com mais de 25 anos ou dois filhos sobre seu direito à ligadura nas trompas gratuitamente nos hospitais conveniados ao SUS.