Censura

Na semana passada fui surpreendido por um telefonema de São João Batista, no modo confidencial, através do qual um cidadão, que não se identificou, manifestou-se indignado com uma matéria que publicamos a respeito de várias denúncias que chegaram ao nosso conhecimento. O referido interlocutor informou que todos os exemplares do Jornal Razão distribuídos naquela cidade estavam sendo recolhidos e que nós não tínhamos o direito de veicular artigos envolvendo a prefeitura. Perguntei se ele sabia que a Constituição da República nos dá o direito de livre expressão do pensamento e que desde 1988 deixou de existir qualquer tipo de censura à imprensa. Ele me disse alguns desaforos e depois desligou.

Nunca publicamos qualquer inverdade no Jornal Razão. O que está escrito ali é a fiel expressão da verdade, motivo pelo qual decidimos aprofundar a apuração dos fatos relativos a este assunto. Não é um simples telefonema que nos amedrontará. E podem acreditar: a pior atitude de quem comete ilegalidades é ameaçar a imprensa.

Sempre fundamentamos nossas reportagens em fatos verídicos, procurando informar sem muito opinar, mas o referido cidadão não quis ouvir tudo o que tínhamos para dizer. O lance era tentar nos amedrontar.

Depois disso o que me deixou perplexo foi a confirmação de que havia pessoas realmente recolhendo os exemplares do Jornal Razão. Mas por que? O que havia na nossa matéria que chegou a motivar essa movimentação na cidade?

Acho que não adiantou muito o esforço dos envolvidos, pois no mesmo dia mandamos mais quinhentos exemplares para serem novamente distribuídos em São João Batista. Além disso, o jornal impresso também é disponibilizado no www.jornalrazao.com, que na oportunidade teve um acesso anormal na capital dos calçados.

Só quero deixar bem claro que não temos qualquer interesse em prejudicar a imagem de quem quer que seja, porém, a preocupação com o nosso trabalho nos chamou atenção e por isso aprofundaremos nossas investigações. Aguardem.

Numerólogo afirma que o fim do mundo acontecerá em março e desta vez é sério

 

Numerólogo afirma que o fim do mundo acontecerá em março e desta vez é sério

Parece que novamente temos uma data provável para o final do mundo, e tudo ocorrerá em março de 2018. Convido os amigos e amigas a conhecerem as bizarras previsões de um numerólogo britânico obcecado por adivinhar a data do juízo final.

A previsão que não se concretizou

Em setembro do ano passado, a internet foi à loucura após o numerólogo britânico David Meade afirmar que o mundo acabaria no dia 23, com o misterioso planeta Nibiru esmagando a Terra e seus habitantes. A profecia não se concretizou, sendo remarcada para o dia 15 de novembro. Após as falhas na previsão, Mead realizou novos estudos e garante: o apocalipse ocorrerá em março deste ano.

Baseado em interpretações do antigo testamento e na teoria da conspiração sobre o suposto Planeta X – também conhecido como Nibiru –, o numerólogo acredita que o fim do mundo será marcado por uma série de “pragas”, que vão de tsunamis e terremotos a ataques nucleares e guerras catastróficas.


Ajustes técnicos

De acordo com suas recentes análises, primeiro, haverá algum tipo de conflagração nuclear com a Coréia do Norte, onde Jesus provavelmente aparecerá em paralelo com o Planeta X, que dará um fim a humanidade.

 

“Estudei vários meses seguidos, e tudo aponta que o apocalipse ocorrerá em março deste ano. Desta vez é ainda mais certo por coincidir com os 70 anos do estado de Israel, que para muitos teóricos da conspiração significa o fim dos tempos e o retorno de Jesus Cristo”, afirmou ao jornal Metro.

A significância do fim das ADRs

Não vejo maiores problemas em razão da extinção da Agência de Desenvolvimento Regional de Brusque, pois desde que foi criada o Governo do Estado sempre favoreceu a Capital da Pronta Entrega, primeiro pela ligação da viúva do governador Luiz Henrique com o município (Dona Ivete Appel da Silveira nasceu lá), depois por conta da falta de lideranças políticas que favorecessem os municípios do Vale. Era tudo para Brusque, nada para nós.

Com todos os defeitos e denúncias, o ex-secretário Jones Bosio foi infinitamente melhor que o atual secretário da ADR de Brusque. Com exceção dos diretores das escolas estaduais, vereadores e do prefeito, sou capaz de apostar que a grande da maioria da população regional não sabe quem é Ewado Ristow Filho. Aliás, não vai dar nem muito tempo para saber, pois nesta quinta-feira (22) ele retorna de férias e deve receber de chegada uma cópia do ato da sua exoneração.

Deu errado

O vereado Fernando Fagundes (MDB) o popular “Fernando do Gordo”, revelou nas redes sociais que teve uma surpresa ao ser informado do ato do governador Eduardo Pinho Moreira que desativou a Agência de Desenvolvimento Regional (ADR) de Brusque e outras 14 dessas autarquias em diferentes pontos do estado. Na oportunidade ele estava visitando o celesquiano Adriano, novo gerente regional da Celesc, lotado na agência de Tijucas.

A informação puxou o tapete da ex-prefeita de Nova Trento e ex-secretária regional da antiga SDR de Brusque, Sandra Regina Eccel, que estava preparada para assumir o lugar de Ewaldo Ristow Filho, que ocupava o aguardado cargo de secretário regional. Tentativas de contato com ele foram infrutíferas, embora todos saibam que ele não seria mantido no comando daquela pasta.

Sandra Eccel deve estar preocupada com a situação, pois o que se viu no dia de hoje é que Pinho Moreira tentará cortar gastos. Consequentemente, muitos correligionários do MDB ficarão de fora da Administração Estadual, o que é um atraso para quem pretende possivelmente disputar a eleição para chefiar a Prefeitura de Nova Trento em 2020.

Agora ficam algumas perguntas: Para que ADR serão vinculados Brusque, Botuverá e Guabiruba? Major Gercino, São João Batista, Nova Trento, Canelinha e Tijucas passarão para a jurisdição da SDR de São José? Bombinhas, Porto Belo e Itapema permanecerão vinculadas a ADR de Itajaí?

Balança, mas não cai

0Z6A8487

O colunista Léo Nunes postou há pouco na internet que Adalto Gomes (PT), vice-prefeito de Tijucas, que viajou a Brasília com o prefeito Éloi Mariano Rocha, estaria prestes a entregar o comando da Secretaria Municipal de Obras, Transportes e Serviços Públicos. Segundo a sua fonte, Adalto estaria reclamando de boicote, não liberação de recursos para obras de vulto e a pressão de vereadores e lideranças do partido.

Tentei contato com o prefeito Elói e com o próprio Adalto, porém sem sucesso. Liguei então para vereadores de situação, de quem recebi a afirmação de que nenhum dos parlamentares teria pedido a cabeça do eventual candidato à sucessão do professor Elói em 2020.

“Se ele sair é por vontade própria, pois ninguém está pedindo a sua exoneração” disse-me um dos parlamentares consultados.

A única coisa que se pode fazer é aguardar o retorno de ambos de Brasília para ver o que acontece.

Sobraram os gringos

O início do ano letivo de 2018 levou de volta pra casa milhares de turistas de todo o Brasil, que lotaram o litoral catarinense desde meados de dezembro até o fim da semana do Carnaval. Os empresários do ramo hoteleiro, donos de restaurantes e de supermercados afirmam que o resultado da temporada até agora foi bem melhor que no ano passado, mas por enquanto não falam em números. Eles apostam no dinheiro dos “hermanos” do Uruguai, Paraguai, Argentinos e de outras nacionalidades. Os brasileiros foram embora, mas eles continuam por aqui.

Os empresários do litoral ainda tem a favor o período da “caça ao dragão”, que acontece durante o mês de março. É nessa época que o litoral recebe levas de idosos e aposentados, que preferem curtir a praia com menos gente, poucas filas e preços mais baixo em todos os setor.

E por que “caça ao dragão”? É que nesses resquícios de verão a intensidade do sol é menor, causa menos problemas solares, estendendo-se até o “veranico de maio”. E com a falta de menininhas novinhas muitos festeiros, gogoboys e caçadores de dotes ficam a espreita para fisgarem dragõezinhos com café no bule.

Farmácias de plantão

Um dia,lá por 1999, a vereadora Bete me ligou para comer um peixe na casa dela. Eu disse que estava recebendo a visita do presidente estadual do PPB, meu saudoso amigo Luiz Gomes, o Lula. A vereadora achou que eu estava brincando e disse pra mim levá-lo junto.eleonora

Foi engraçado quando cheguei à casa da maior liderança feminina do PMDB tijuquense com o presidente do maior adversário político do seu partido, mas Lula foi super bem recebido. Naquela confraternização conversamos sobre “farmácias de plantão”, cujo teor do projeto ajudei os vereadores Luiz Rogério da Silva e Nilson Carlos de Oliveira a desenvolver. Lula disse:

“Foi a primeira coisa que acabei quando assumi a Prefeitura de Joinville. Isso atrapalha quem quer trabalhar 24 horas diárias”.

Acho que o primeiro presidente da SC Gás tinha razão. É uma vergonha ter que ir a Itapema da meia noite até o amanhecer para comprar um sal de frutas. O plantão farmacêutico de Tijucas tem que acabar, pois do contrário ficaremos eternamente sem atendimento na madrugada.

Só para botar inveja

0Z6A0188

Agora a pouco, por volta das 15h, ouvi minha mãe gritando da janela do seu apartamento para que eu fosse à sacada do meu APÊ. Disse ela que era uma surpresa. Botei a cabeça pela janela e perguntei-lhe que barulheira era aquela. Então ela disse:

“É o Valério Tomazi e a Zilá, com uma sacola cheia de uma coisa que a Araci adora”.

O casal estava na frente do prédio. Então o Valério falou que estava chegando do seu sítio na Itinga e que havia colhido uma sacolada de jabuticabas temporãs.

“Nem fomos em casa ainda. Colhemos umas jabuticabas inesperadas e trouxemos a metade para ti”, disse ele.

Desci as escadarias feito um foguete, dei um abraço no Valério, agradeci a lembrança dos meus queridos amigos, me despedi do casal, subi o morro de volta, lavamos as jabuticabas e as colocamos numa bacia com gelo. Neste momento estou deitado na rede da sacada da minha residência, chupando jabuticaba geladinha.

Quer um programa melhor para uma tarde de terça-feira de Carnaval?

Acelerando o motorzinho para as noites carnavalescas

dc200332-b847-4331-b954-6bf0d902816e

Da esquerda para a direita: Alecssandro, Duda, Carlos, eu e o Maickon, que ficou muito bem usando a máscara da Tiazinha.

 

Na noite de sexta-feira (09) muita barulheira na residência de Lilian e Maickon Sgrott, no Jardim das Palmeiras, em Tijucas. Estavam lá Alecssandro e Margarete Poli (mãe da Lilian), Duda e Priscila (irmã e cunhado do anfitrião), além do Carlos e eu. Eu de carinha, eles com o freezer transbordando de cerveja.

O evento teve como objetivo comemorar a chegada de uma motoquinha comprada pelo cunhado de Maickon, dono de uma tradicional empresa do ramo têxtil de Brusque, que pagou simplesmente R$ 92 mil por uma Harley Davidson de 1.700 cc. E ainda falam em crise…

O churrasco saiu com uma “guarnição de respeito”, incluindo uma saborosa farofa que já roubei a receita. Não tomei qualquer bebida alcoólica, porém detonei a bandeja de beijinhos e brigadeiros para os baixinhos que lá estavam. Já estou aguardando o convite para a próxima noite do “Red Bull”.

O papo cabeça já cobre a pedida.